MEC desrespeita processo eleitoral para reitor do IFRN e nomeia professor ligado ao PSL que sequer participou da eleição

Em eleição ocorrida no último dia 04 de dezembro de 2019, o Instituto Federal do Rio Grande do Norte (IFRN) elegeu o professor José Arnóbio de Araújo Filho como novo reitor da instituição. O resultado foi homologado pelo Conselho Superior (CONSUP) do IFRN e encaminhado ao MEC nos primeiros dias de janeiro de 2020. A partir de tal processo democrático amplamente consolidado e respeitado nas Instituições de Ensino Superior no país, também foram eleitos os diretores-gerais dos 21 campi do IFRN em funcionamento em todo o estado.

Clique aqui e acesse Carta Aberta do professor José Arnóbio de Araújo Filho a toda a sociedade

No entanto, nesta segunda-feira (20), o Diário Oficial da União (DOE) publicou nomeação do professor Josué de Oliveira Moreira como novo reitor pro-tempore. Moreira, porém, sequer participou do processo elitoral, em que José Arnóbio de Araújo obteve 48,25% dos votos contra 42,26% de Wyllys Farkkat Tabosa, atual reitor da instituição. Segundo matéra do site Saiba Mais, o reitor nomeado pelo ministro da Educação, Abraham Weintraub, é recém-filiado ao PSL e ex-candidato a prefeito de Mossoró, contando com o apoio do deputado federal general Girão (PSL), principal nome do bolsonarismo no Estado potiguar.

Para Dante Moura, professor do IFRN e integrante do GT Educação e Trabalho da ANPEd, "a nomeação de um interventor desrespeita o processo democrático de uma instituição que, historicamente, vem fortalecendo de forma coletiva uma gestão participativa e democrática. É um verdadeiro ataque à comunidade do IFRN e à educação brasileira."

Ao menos outros dois estados, Mato Grosso do Sul (IFMS) e Santa Catarina (IFRN), também já sofreram tal intervenção do MEC e governo Bolsonaro através da figura do reitor pro tempore. A ANPEd e a comunidade acadêmica repudiam tal interferência e pedem a revogação da nomeação e respeito ao processo eleitoral democrático.

O IFRN tem 45 mil estudantes desde cursos de Formação Inicial e Continuada (FIC) até doutorado na área de Educação. São 1672 docentes e 1185 técnico-administrativos.

 

Leia Também